CORONAVÍRUS:
Estamos preparados?

Casos de infecção pelo coronavírus (2019-nCoV) identificado em dezembro na cidade de Wuhan, na China, foram detectados em outras localidades do país, como Pequim e Guangdong. Ainda foram confirmados casos na Tailândia, no Japão, na Coreia do Sul e nos Estados Unidos.

As celebrações do Ano Novo Chinês no final de janeiro aumentarão o volume de viagens com destino e com origem na China e dentro do país, majorando a probabilidade de transmissão para outros locais, como Europa e África.

São dezenas de mortos e centenas de pessoas infectadas com o coronavírus. Mais de mil casos considerados suspeitos investigados. Diversos países adotaram medidas em fronteiras e aeroportos, com a criação de áreas exclusivas para passageiros oriundos da China. Outros utilizam câmaras térmicas para identificar temperatura corporal.

Avaliando esse cenário, pode-se pensar que uma propagação global seja provável. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou prematuro declarar situação de emergência internacional.

Até agora, nenhum caso do 2019-nCoV foi confirmado no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde (MS), a incidência dos casos notificados como suspeitos e descartados é baixa, nível 1 de alerta. O MS anunciou a instalação do Centro de Operações de Emergência, que vai monitorar o coronavírus e atuar junto aos serviços de emergência para que estejam preparados se a situação se agravar.

Considerando a evolução e a gravidade da doença, o novo coronavírus é uma situação de emergência. A possibilidade de transporte da doença para outros lugares do mundo é uma realidade, haja vista o avanço tecnológico no transporte por vias aéreas e marítimas.

O Brasil é um país continental, com milhares de quilômetros de fronteira seca, portos e aeroportos, e aberto para o mundo. Ao mesmo tempo, não tem estrutura adequada de atendimento em saúde nem investimento em prevenção e pesquisa e, muitas vezes, mostra descaso com a população.

Precisamos adotar uma postura proativa, aderindo práticas apropriadas de prevenção e controle de infecções e, consequentemente, evitar a entrada do coronavírus e de outras doenças no país e proteger as pessoas.

O objetivo não é gerar pânico desnecessário na população. É estar alerta e preparado para a potencial evolução do 2019-nCoV e de outras doenças, inclusive, aquelas que já são um problema de saúde pública e outras que pensávamos não mais existir no Brasil.

Dr. Eduardo Trindade
Doutor em Medicina e presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers)

TOPO
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support