fbpx

CORONAVÍRUS

O QUE É O COVID-19?

O novo coronavírus (Sars-CoV-2) pertence a um família viral que acomete seres humanos e animais. É conhecida desde a década de 1960. Causa doenças respiratórias geralmente leves a moderadas, porém alguns coronavírus podem causar doenças graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), identificada em 2002 e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers), identificada em 2012.

Atualmente, uma epidemia detectada primariamente na cidade de Wuhan, na China, vem se alastrando, já envolvendo Ásia, Oceania, Europa e as Américas. A transmissão do COVID-19 ocorre de pessoa para pessoa, de forma continuada. O contágio acontece por meio de gotículas e aerossóis, ou seja, pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como saliva, espirro, tosse e escarro. Também pode ocorrer por contato pessoal próximo, como toque, aperto de mão ou contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguidos de contato com a boca, nariz ou olhos.

As definições de casos suspeitos são as seguintes:

Situação 1: VIAJANTE: Paciente que apresente febre¹ E pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios ( tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir dor de garganta, coriza, saturação de O2<95%, sinais de cianose sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia) E com histórico de viagem para país com transmissão sustentada² ou área com transmissão local² nos últimos 14 dias

Situação 2: CONTATO PRÓXIMO³: Paciente que apresente febre¹ OU pelo menos um sinal ou sintoma respiratório ( tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2< 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia) E histórico de contato próximo³ com caso suspeito ou confirmado para COVID-19, nos últimos 14 dias.

COMO SE PREVENIR?

A implementação de precauções-padrão é a principal medida de prevenção da transmissão de doenças entre pacientes e profissionais de saúde e deve ser adotada no cuidado de todos os pacientes (antes da chegada ao serviço de saúde, na chegada, triagem, espera e durante toda assistência prestada) independente de fatores de risco ou doença de base.

Os profissionais de saúde constituem uma população de alto risco de contágio se a implementação das precauções não for realizada adequadamente.

A medida preventiva recomendada é de uso da precaução de contato e precauções de gotículas, além da higiene de mãos. Para procedimentos que gerem aerossolização, utilizar medidas de precaução de contato e aerossóis.

  • Precaução de contato: uso obrigatório de avental descartável e luvas.
  • Precaução de gotículas: uso de máscara cirúrgica (deve ser descartada após o uso).
  • Procedimento com geração de aerossóis: incluem os procedimentos de aspiração das vias aéreas, coleta de vírus respiratórios por aspirado de nasofaringe, intubação traqueal, fibrobroncoscopia, entre outros. É mandatório o uso de máscara N95 (“bico de pato”) ou similar, óculos de proteção ou protetor facial e gorro, além de avental descartável e luvas. Após a intubação, a máscara N95/similar deve ser descartada.
  • Higiene de mãos nos 5 momentos recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O uso de luvas não elimina a necessidade de higiene de mãos.
  • Higienização do ambiente: deve seguir a rotina do local, limpando as superfícies de alto grau de toque. Não é necessária limpeza terminal após atendimento de pacientes em consultórios e coleta de amostras respiratórias.

MEDIDAS GERAIS

  • Colocar máscara cirúrgica no paciente e nos acompanhantes, se presentes.
  • Profissionais devem utilizar máscara cirúrgica, avental descartável e luvas. Em procedimentos que gerem aerossóis, utilizar máscara N95/similar, gorro e óculos de proteção ou protetor facial.
  • Higiene de mãos nos 5 momentos, lembrando que o uso de luvas não substitui a higiene de mãos.
  • Alocar o paciente em leitos/quartos pré-definidos.
  • Notificar à Equipe de Vigilância em Doenças Transmissíveis da Secretaria Municipal de Saúde, em Porto Alegre pelos telefones 3289-2471 ou 3289-2472 (em horário comercial), ou pelos números 150 (Vigilância de Saúde Estadual), 156 (municipal) ou 136 (Disque-Saúde SUS).
  • Solicitar pesquisa de COVID-2019. Inserir nas informações clínicas: Suspeita de coronavírus.
  • Realizar coleta de uma amostra de secreção respiratória, nos padrões de coleta para vírus respiratórios. Utilizar a coleta por aspirado de orofaringe somente nos pacientes em ventilação mecânica.
  • Enviar a amostra imediatamente para o LACEN-RS
  • Definir sobre a necessidade de internação hospitalar conforme parâmetros clínicos. Os pacientes PODEM e DEVEM ser encaminhados para o domicílio quando não há sinais/sintomas de gravidade.

ATENDIMENTO AMBULATORIAL, PRONTO-ATENDIMENTO E ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

 

As medidas que devem ser observadas pelos serviços prestando atendimento ambulatorial, pronto atendimento e atenção primária de saúde aos casos de Síndrome Gripal ou Síndrome Respiratória Aguda Grave são:

  • Estabelecer critérios de triagem para identificação e pronto atendimento dos casos, com o objetivo de reduzir o risco de transmissão na sala de espera para outros pacientes, bem como priorizar o atendimento dos pacientes com Síndrome Gripal que apresentam fatores de risco ou sinais de agravamento;
  • Orientar os profissionais do serviço quanto às medidas de precaução a serem adotadas;
  • Colocar máscara cirúrgica nos pacientes sintomáticos respiratórios;
  • A máscara cirúrgica deve ser utilizada desde o momento da chegada do paciente até o encaminhamento para o hospital de referência ou liberação para o domicílio;
  • Orientar os pacientes a adotar as medidas de precaução para aerossóis e etiqueta respiratória e higienizar as mãos após tossir ou espirrar
  • Prover lenço descartável para higiene nasal na sala de espera;
  • Prover lixeira, preferencialmente com acionamento por pedal, para o descarte de lenços e lixo;
  • Prover dispensadores com preparações alcoólicas para as mãos nas salas de espera e estimular a higienização das mãos após contato com secreções respiratórias;
  • Prover condições para higienização simples das mãos: lavatório/pia com dispensador de sabonete líquido, dispensador de álcool espuma ou gel, suporte para papel-toalha, papel-toalha, lixeira com tampa e abertura sem contato manual;
  • Manter os ambientes ventilados;
  • Realizar a limpeza e desinfecção com álcool 70ºGl das superfícies do consultório e de outros ambientes utilizados pelo paciente;
  • Realizar a limpeza e desinfecção com álcool 70ºGl de equipamentos e produtos para saúde que tenha sido utilizado na atenção ao paciente;
  • Se houver necessidade de encaminhamento do paciente para outro serviço de saúde, notificar previamente o serviço referenciado.

Orientações para isolamento domiciliar de casos suspeitos ou confirmados

O indivíduo infectado com o COVID-2019 pode transmitir a doença enquanto apresentar sintomas respiratórios. Após ser avaliado pela equipe de saúde e considerado caso suspeito pela Vigilância em Saúde, não havendo necessidade de internação hospitalar, o paciente deve permanecer no domicílio durante a presença de sintomas, pelo período informado no atestado médico (Nota conjunta CREMERS e SMS/ POA).

CUIDADOS NO DOMICÍLIO:

  • Permanecer em casa usando máscara cirúrgica. Trocar sempre que estiver úmida;
  • Sair de casa somente em situações emergenciais, sempre com máscara cirúrgica;
  • Não receber visitas;
  • Lavar as mãos com frequência, principalmente após tossir ou espirrar;
  • Cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar. Utilizar lenço descartável e imediatamente descartá-lo após o uso. Na ausência do lenço, cobrir o nariz e a boca com a parte interna do braço;
  • Utilizar lenço de papel ou papel higiênico para a limpeza de secreções. Após o uso, colocá-lo na lixeira;
  • Evitar tocar a mucosa de olhos, boca e nariz;
  • Não compartilhar alimentos, copos, talheres, garrafas, chimarrão, toalhas e objetos de uso pessoal.

REFERÊNCIAS

¹ Febre: Considera-se aquela acima de 37.8°C. Alerta-se que a febre pode não estar presente em alguns casos como, por exemplo, em pacientes jovens, idosos, imunossuprimidos ou que em algumas situações possam ter utilizado medicamento antitérmico. Nestas situações, a avaliação clinica deve ser levada em consideração.

² Áreas consideradas com transmissão sustentada e com transmissão local: são definidas pelo ministério da saúde e a lista atualizada encontra-se no link http://plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/.

³ Contato próximo: contato físico direto; contato desprotegido com secreções infecciosas; contato frente a frente por 15 minutos ou mais e a uma distância inferior a 2 metros; contato em ambiente fechado ( sala de aula, sala de reuniões, sala de espera de hospitais, domicilio) por 15 minutos ou mais e a uma distância menor do que 2 metros; profissional de saúde que não utilizou EPIs de forma adequada; passageiro de uma aeronave sentado no raio de 2 assentos.

TOPO
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support